Minha conta

Você controla seus dados

Usamos cookies para adaptar aos usuários a experiência de criar currículos e cartas de apresentação. Por isso é possível que compartilharemos seus dados de uso com terceiros. Em nossa Política de Cookies, encontrará mais informações sobre como usamos os dados. Se quiser ajustar suas preferências de cookies, clique no botão de “Configurações” abaixo. Para aceitar todos os cookies, clique em “Aceitar”.

Configurações Aceitar

Configurações de cookies

Clique nos tipos de cookies abaixo para adaptar sua experiência no site de acordo com suas preferências. Pode aceitar, recusar ou retirar seu consentimento de uso dos cookies quando quiser. Tenha em mente que desabilitar cookies pode afetar suas experiência no site. Para mais informações, visite nossas Política de Cookies e de Privacidade.

Selecione os tipos de cookies que quer aceitar

De análises

Esses cookies analisam o uso do nosso site por nossos visitantes e também nos permitem oferecer uma experiência melhor. Os cookies analíticos usados em nosso site não identificam quem você é nem nos permitem enviar publicidade direcionada. Por exemplo, podemos usar cookies/tecnologias de rastreamento para análises relacionadas com o objetivo de determinar o número de visitantes do nosso site, identificar como os visitantes se movimentam no site e, em particular, quais páginas visitam. Isso nos permite melhorar nosso Site e nossos serviços.

De desempenho e personalização

Estes cookies permitem-nos dar-lhe acesso a uma experiência personalizada. Os cookies de personalização são usados para fornecer conteúdo, incluindo anúncios, relevantes para seus interesses em nosso site e sites de terceiros com base em como você interage com diferentes elementos em nosso site, bem como rastrear o conteúdo que você acessa (incluindo visualização de vídeo). Também podemos coletar informações de computador e/ou conexão para adaptar sua experiência às suas necessidades. Durante algumas visitas, podemos usar ferramentas de software para medir e coletar informações da sessão, incluindo tempos de resposta da página, erros de download, tempo gasto em determinadas páginas e informações de interação com a página.

De publicidade

Esses cookies são colocados por empresas terceirizadas para fornecer conteúdo direcionado com base em tópicos relevantes que lhe interessam (por exemplo, fornecendo anúncios do Facebook que lhe interessam) e permitem que você interaja melhor com plataformas de mídia social como o Facebook.

Necessárias

Esses cookies são essenciais para o desempenho do Site e para que você possa usar seus recursos. Os cookies necessários serão sempre armazenados, pois são necessários para que o site funcione corretamente. Por exemplo, cookies essenciais incluem, mas não se limitam a: cookies armazenados para fornecer o serviço, manter sua conta, fornecer acesso ao construtor, páginas de pagamento, criar IDs para seus documentos e armazenar seus consentimentos.

Para ver a lista detalhada de cookies, clique aqui.

Salvar preferências

Em quem você pode confiar no trabalho? [Estudo de 2022]

Em quem você confia no trabalho e quanto? Essa é uma pergunta simples, mas que cria a base da vida profissional. Confie em nós, temos as respostas que você precisa para esta pergunta e muitas outras.

Joana Silveira
Joana Silveira
Especialista em carreira
Em quem você pode confiar no trabalho? [Estudo de 2022]

Amy: Ei Chris, Amy aqui. Acabei de chegar no cliente. 

Cris: Ok.

Amy: Ok, bem... te vejo mais tarde.

Chris: Ok, tchau. 

 

Este parece ser um telefonema tradicional padrão, certo? Bom, nem tanto. Ele é um exemplo perfeito de um relacionamento profissional desprovido de confiança. 

 

Veja bem...

 

Amy, (uma funcionária excelente), estava ligando para seu chefe para dizer a ele que ela havia chegado a um local externo. Um local que ela visitava várias vezes por semana como parte de seus deveres regulares. 

 

Chris exigiu que Amy confirmasse sua chegada toda vez que chegasse no cliente. Então, ela chegava e ligava direto para o chefe dela. 

 

Fale sobre microgerenciamento. 

 

Amy sentiu que ninguém confiava nela. E isso impactou seu bem-estar, seu desempenho e seu relacionamento com o seu chefe e colegas de trabalho.

 

Confiança é tudo. 

 

É por isso que queríamos saber mais sobre a confiança no trabalho. A ResumeLab Brasil pesquisou a opinião de mais de 1.000 funcionários sobre a confiança em seus locais de trabalho. 

 

Descobrimos:

 

  • 56% deixaram o emprego porque não se sentiam confiáveis.
  • 63% disseram que a falta de confiança no trabalho afetou sua saúde mental.
  • 54% disseram que um novo gerente precisa conquistar confiança. 
  • 46% disseram que confiam no novo gerente logo no primeiro dia.
  • 73% disseram que seu local de trabalho usava software de monitoramento de computador.

 

 Então, como estão os níveis de confiança no trabalho hoje em dia?

 

Confiança no local de trabalho

 

Na era da Grande Demissão e r/antitrabalho, esperávamos que a confiança fosse escassa. Estávamos errados.

 

A confiança está em alta!

 

Em quem você pode confiar no trabalho?

Fica claro que há um alto nível de confiança no trabalho para quem participou da pesquisa. 

 

Antes de nos aprofundarmos nos dados, devemos definir confiança. 

 

De acordo com Merriam-Webster:

 

Confiança é “ garantida no caráter, habilidade, força ou verdade de alguém ou alguma coisa”.

 

E quanto à confiança no local de trabalho especificamente? A PricewaterhouseCoopers diz o seguinte: 

 

“Proteção de dados e segurança cibernética, tratar bem os funcionários, práticas comerciais éticas e admitir erros estão no topo da lista de consumidores, funcionários e executivos de negócios”.

 

Agora que temos uma visão completa do que significa confiança, vamos ver quanta confiança os entrevistados sentem no trabalho. 

 

Aparentemente, eles sentem muita confiança nas pessoas no trabalho, incluindo seus chefes, colegas e gerentes seniores. 

 

  • 91% confiaram em seu gerente.
  • 85% confiavam em colegas no mesmo nível de senioridade que eles.
  • 81% tinham confiança na alta administração e executivos.

 

Esses números foram muito maiores do que esperávamos. Dos 1.116 entrevistados, apenas 100 pessoas não confiaram em seu gerente.

 

Os respondentes da pesquisa confiavam menos em seus gerentes e executivos seniores. Mas isso é lógico. Não é fácil confiar em pessoas com quem você não tem muita comunicação. 

 

Mas, no geral, os níveis de confiança são bastante saudáveis. E isso em um momento caótico, no qual esperávamos que os níveis de confiança chegassem ao fundo do poço.

 

Então, por que esses funcionários sentiam tanta confiança nos colegas de trabalho? 

 

Talvez seja exatamente por causa dos tempos únicos em que vivemos. 

 

Um relatório da Edelman Trust mostra que atualmente as instituições mais confiáveis na sociedade são as empresas. Seu estudo global mostra que as corporações são mais confiáveis ​​do que o governo, as ONGs e a mídia em 18 dos 27 países. 

 

O estudo mostra que 75% das pessoas confiam em seu empregador, e os níveis caem para outras instituições depois disso. 

 

Eles também afirmam que as empresas são as únicas instituições que são vistas como "competentes e competentes". 

 

Confiança no trabalho aumentou desde a pandemia 

 

Para nos aprofundarmos no assunto, perguntamos: “Você acha que a confiança no seu local de trabalho aumentou ou diminuiu em relação ao período antes da pandemia?”

 

Em quem você pode confiar no trabalho?

  • 65% dos entrevistados disseram sentir que a confiança em seu local de trabalho aumentou.

 

Seu estudo também mostrou que 84% confiavam em seu gerente direto o mesmo ou mais desde o início da pandemia.

 

Então, há muita confiança em 2022.

 

Mas há um grupo que não está compartilhando deste sentimento caloroso. 

 

Menos educação significa níveis mais baixos de confiança

 

Quem menos confia nas pessoas no trabalho são os profissionais sem faculdade. 

 

Neste grupo: 

 

  • 76% confiam em seu gerente direto.
  • 70% confiam em colegas no mesmo nível de senioridade que eles.
  • 65% confiam em gerentes e executivos seniores.

 

Isso é uma grande diferença das porcentagens gerais do grupo anterior, que tinha 91%, 85% e 81%, respectivamente. 

 

Isso pode ser devido a algo chamado “inflação de diplomas”. A Harvard Business School (HBS) a define como “a prática de buscar um candidato com um diploma universitário de quatro anos para um cargo atualmente ocupado por alguém com diploma de ensino médio ou curso técnico”. 

 

Em outras palavras, trata-se de insistir que os candidatos sejam superqualificados para um trabalho em termos de seu nível de educação.

 

De acordo com a HBS: 

 

“Os empregadores desqualificam todos aqueles que possam ter as habilidades – mas não o diploma universitário – para fazer esse trabalho… Uma das principais causas, se não a principal causa, da inflação de diplomas é a percepção do empregador de que trabalhadores sem graduação não são mais capazes de realizar as tarefas de habilidades médias de hoje.” 

 

Essa percepção se traduz em falta de confiança. 

 

As empresas estão excluindo profissionais sem diploma universitário do trabalho e das promoções. Trabalho que, em muitos casos, eles são mais do que capazes de realizar. Não é de admirar que o nível de confiança seja menor quando o empregador menospreza a qualificação e a competência do trabalhador. 

 

Mas, há algo mais que pode esgotar os níveis de confiança.

 

Big Brother no trabalho

“Privacidade não é algo que eu tenha apenas direito, é um pré-requisito absoluto.”
Marlon Brando

Pesquisas mostram que houve um aumento nas empresas que usam monitoramento por computador desde o início da pandemia. A justificativa é mitigar o que está sendo chamado de cyberslacking. Em outras palavras, eles não querem que você navegue no Facebook enquanto deveria estar trabalhando. 

 

Então, como é realizado o monitoramento remoto do computador? Estas são as técnicas mais comuns:

 

  • Monitoramento de tela: grava vídeos ou fotos em intervalos regulares. Eles podem coletar imagens o tempo todo ou apenas enquanto você estiver usando o computador.
  • Monitoramento da impressora: registra o que é impresso do computador.
  • Monitoramento de dados: rastreia o conteúdo dos arquivos armazenados no disco rígido local.
  • Monitoramento de pressionamento de tecla: rastreia o número de pressionamentos de tecla a cada minuto. 
  • Monitoramento de unidade removível: rastreia dispositivos externos conectados ao computador.
  • Monitoramento de tempo ocioso: rastreia a quantidade de tempo que o computador está ocioso.
  • Monitoramento de vídeo/áudio: grava a webcam e microfone, transmitindo-os ao vivo.

 

É o suficiente para lhe dar calafrios.

 

Quantos entrevistados achavam que seus computadores eram monitorados e como eles se sentiam sobre isso?

 

Em quem você pode confiar no trabalho?

73% dos participantes do estudo relataram que o software de monitoramento remoto estava em seus computadores de trabalho. Na verdade, a pandemia tornou o monitoramento remoto muito mais comum. 

 

Outro artigo intitulado “Monitorando trabalhadores remotos” reitera isso:

 

“Mais funcionários estão trabalhando em casa e mais empregadores estão de olho neles por meio do uso de tecnologias de monitoramento remoto… fotos para ver se os trabalhadores estão sentados na frente de seus laptops em casa.”

 

Tirar fotos para ver se os trabalhadores estão sentados na frente de seus laptops?! 

 

Agora, se isso não corrói a confiança, não sei o que faz. 

 

A vigilância é um dos maiores dilemas éticos do nosso tempo. Por um lado, pode melhorar o comportamento humano. Mas quando usado de maneira draconiana no trabalho, pode prejudicar a confiança dos funcionários e torná-los menos comprometidos com seus empregadores.

 

Apesar disso, apenas 52% dos nossos entrevistados expressaram algum nível de preocupação em serem monitorados no trabalho.

 

Parece que a vigilância remota por computador se normalizou

 

Conforme declarado em “Monitoramento e Vigilância Eletrônica no Local de Trabalho”: 

 

“A vigilância é, portanto, um elemento dado como certo da vida profissional. Os funcionários esperam que o desempenho seja avaliado, objetivos definidos e informações sobre suas atividades coletadas – na verdade, isso é visto como uma boa prática de gerenciamento. Empregadores têm o direito de monitorar seus funcionários para garantir que os recursos sejam usados ​​com eficiência, para proteger a confidencialidade comercial e o risco de gestão, e para garantir que as leis sejam cumpridas e que nenhum crime seja cometido por seus funcionários.”

 

Aqueles sem diploma universitário (37%) estavam muito menos preocupados com a vigilância do computador do que os diplomados (55%).

 

Isso provavelmente decorre da inflação de diplomas mencionada anteriormente. Aqueles que não têm diploma universitário não estão conseguindo os empregos de colarinho branco que costumavam. Eles são relegados a trabalhos mais subalternos nos quais o monitoramento de software de computador é menos comum. 

 

Independentemente disso, saber que sua atividade no computador está sendo monitorada naturalmente causa algum nível de paranóia. 

 

Pensando bem… delete!

 

Quando você sente que alguém está olhando por cima do seu ombro, por assim dizer, isso afeta seu comportamento. 

 

Mais da metade dos participantes do estudo estavam preocupados o suficiente para excluir mensagens nos canais de comunicação do local de trabalho. 

 

  • 60% deletou uma mensagem instantânea por medo de ser lida

 

Curiosamente, aqueles que trabalhavam em locais de trabalho maiores estavam menos preocupados com suas mensagens instantâneas. Houve uma clara correlação entre as porcentagens daqueles que apagaram mensagens e o número de funcionários em um local de trabalho.

 

  • Trabalha em uma empresa com local de trabalho de 1 a 2 funcionários: 80% exclui mensagens
  • 3 a 5 funcionários: 73% exclui mensagens
  • Local de trabalho de 6 a 10 funcionários: 66% exclui mensagens 
  • Local de trabalho de 11 a 20 funcionários: 46% exclui mensagens de texto
  • Local de trabalho com mais de 20 funcionários: 26% tinham textos deletados

 

Muito provavelmente, aqueles em empresas maiores se sentem protegidos pelo volume de textos—certamente os deles serão perdidos na confusão e não serão notados.

 

Mas

 

... Grandes empresas e corporações costumam ler os textos dos funcionários. Empresas maiores têm dinheiro para instalar esses programas e equipes de TI para verificar os dados. 

 

Nesse sentido, o bloqueio de sites de mídia social está se tornando mais comum. De fato, 70% em nosso estudo disseram que seus empregadores bloquearam sites como Facebook, Twitter e Instagram. 

 

Não é tão conveniente postar a sua última selfie, hein? 

 

Então, com todo esse monitoramento por computador, como os funcionários podem sentir confiança em seu local de trabalho? Tudo se resume a uma troca de confiança entre gerentes e seus funcionários.

 

Como gerentes e funcionários podem construir confiança mútua

“A confiança é conquistada quando as ações encontram as palavras.”
Chris Butler

Os entrevistados concordaram com as palavras de sabedoria acima? Apresentamos a eles uma lista de fatores que poderiam contribuir para a confiança e perguntamos quais eram os mais importantes. 

 

E, sim, palavras que se traduzem em ações foram um fator chave na construção da confiança. 

 

Em quem você pode confiar no trabalho?

Ser confiável, trabalhar duro e cumprir suas metas estavam entre os três primeiros, tanto para gerentes quanto para funcionários. 

 

Um item estranho que acabou aparecendo na lista de maneiras pelas quais os funcionários podem construir confiança com seus gerentes foi bem esclarecedor: 

 

“Concordar com tudo o que o gerente diz”.

 

Nós não incluímos isso no infográfico, porque na verdade não é um bom conselho. Mas apareceu nos cinco primeiros, o que significa que às vezes os funcionários acham que é melhor apenas sorrir e concordar. 

 

Muitas vezes sentimos medo de quebrar as regras e discordar no local de trabalho e em outros ambientes institucionais: 

 

Mais da metade disse que as pessoas em suas organizações não questionam o status quo. A conformidade no trabalho assume muitas formas: replicar o comportamento de outros em funções semelhantes, expressar emoções apropriadas, vestir roupas adequadas, concordar rotineiramente com as opiniões dos gerentes, concordar com as más decisões de uma equipe e assim por diante. E com muita frequência, ceder à pressão dos colegas reduz o envolvimento dos indivíduos com seus trabalhos.”

 

Empregadores, fiquem atentos. 

 

Os respondentes da pesquisa expressaram claramente que sempre concordar com a administração é uma forma de aumentar a confiança. 

 

Mas o documento da HBR também enfatiza que os empregadores devem promover a não conformidade construtiva. Ou seja, os funcionários devem poder se expressar de maneiras não tradicionais e autênticas, aumentando assim seu engajamento e confiança

 

Também obtivemos alguns insights valiosos de um especialista em confiança no local de trabalho: Ron Carucci.

 

Ron é cofundador e sócio-gerente da Navalent. Ele também é o autor mais vendido de oito livros, incluindo um best-seller da Amazon intitulado Rising to Power. Ele é um colaborador regular da Harvard Business Review e da Forbes, além de duas vezes palestrante do TEDx. 

 

“Para ganhar e manter a confiança, os líderes devem aceitar que confiabilidade e integridade são meras apostas. Eles, por si só, não lhe dão a reputação de ser confiável. 

 

Poucos momentos afetam mais a confiança do que quando os esforços de alguém ficam aquém. As pessoas confiam inerentemente em outras das quais não sentem necessidade de se esconder, especialmente na vergonha do fracasso. Quando outros cometem erros, mesmo os substanciais, certifique-se de que assumir a responsabilidade inclua manter intacto o respeito próprio. Equilibre expressar sua decepção com garantir que você continue sendo um aliado, fazendo o que puder para ajudá-los a voltar aos trilhos.”

 

Quando falta confiança, as pessoas simplesmente entregam suas demissões. 

 

A falta de confiança alimenta as resignações

 

“A confiança não pode prosperar em um ambiente onde pregamos o trabalho em equipe e a cooperação, mas raramente a reconhecemos e recompensamos."
Wayne R. Bills

Em quem você pode confiar no trabalho?

Mais da metade dos entrevistados havia deixado um emprego por sentir falta de confiança. E quanto maior o nível de educação de um entrevistado, maior a probabilidade de desistirem por causa disso.

 

Quem desistiu por sentir falta de confiança?

 

  • 66% dos alunos de mestrado ou doutorado
  • 57% dos graduados técnicos ou bacharéis
  • 37% daqueles sem diploma universitário

 

Aqueles que não obtiveram um diploma universitário estão desistindo. Mas, muito provavelmente, não por “falta de confiança”. 

 

Como a falta de um diploma muitas vezes equivale a um emprego com salários mais baixos, a demissão geralmente se deve ao desejo de um aumento salarial ou a más condições de trabalho. 

 

Mas, em última análise, a confiança é um fator forte para que um funcionário permaneça em um emprego. 

 

Em um estudo sobre por que os funcionários pedem demissão, a confiança foi um dos principais critérios ligados à probabilidade de desistir. E eles descobriram que a forma como os líderes se comportam era o fator mais crítico de todos. 

 

As demissões estiveram fortemente vinculadas às afirmações expressas a seguir: 

 

  • Sinto que há falta de confiança na liderança organizacional sobre a gestão da organização.
  • Sinto que os líderes organizacionais agem de forma injusta.
  • Sinto que há falta de transparência e comunicação em tempos de mudança organizacional significativa, ou seja, injustiça informacional.

 

Todos os itens acima apontam para uma coisa: falta de confiança. 

 

Conclusão

 

Embora a confiança no trabalho esteja geralmente firme e forte para os participantes da pesquisa, há certas coisas que fazem a confiança diminuir. O monitoramento por computador é um deles. 

 

Os funcionários sabem o que é preciso para manter e construir confiança. As ações que correspondem às palavras são grandes. 

 

Os empregadores devem levar em consideração a transparência sobre as práticas de monitoramento do computador e garantir que estejam dentro dos limites legais do que é permitido. Eles também devem garantir que os gerentes sigam o modelo da roda da confiança descrito no Roffey Park, “A experiência vivida da confiança: histórias de confiança das pessoas no local de trabalho:” 

 

  1. Ser transparente
  2. Ser consistente
  3. Ser pessoal
  4. Demonstrar vulnerabilidade
  5. Ater-se aos compromissos
  6. Apreciar os outros
  7. Ouvir bem
  8. Demonstrando confiança nos outros

 

Em suma, a confiança é a base de todas as relações de trabalho. Sua importância não pode ser subestimada. 

 

Metodologia

 

Recolhemos as respostas de 1116 entrevistados por meio de uma ferramenta de pesquisa personalizada sobre confiança no local de trabalho. Todos os entrevistados incluídos no estudo passaram por uma questão de verificação de atenção. O estudo foi criado através de várias etapas de pesquisa, crowdsourcing e levantamento. 

 

Limitações

 

Os dados que estamos apresentando baseiam-se em auto-relatos dos entrevistados. Cada pessoa que participou de nossa pesquisa leu e respondeu a cada pergunta sem qualquer administração ou interferência da pesquisa. Existem muitos problemas potenciais com dados auto-relatados, como memória seletiva, telescópica, atribuição ou exagero.

 

Algumas perguntas e respostas foram reformuladas ou condensadas para maior clareza e facilidade de compreensão para os leitores. Em alguns casos, os percentuais apresentados podem não somar 100%; dependendo do caso, isso pode ser devido a arredondamentos, ou por fazer parte de uma estatística maior, ou por não serem apresentadas respostas de “nem/incerto/desconhecido”.

 

Declaração de uso justo

 

Não perca a chance de compartilhar essas descobertas—–você pode se arrepender! Se você acha que seu público se interessará por essas informações, compartilhe-as para reutilização não comercial. Tudo o que pedimos em troca é que você faça um link para esta página para que seus leitores possam ver o estudo completo.

 

Fontes

 

Avalie meu artigo: confianca no trabalho
Obrigado por votar!
Média: 5 (1 votos)
Joana Silveira
Joana Silveira
Joana é especialista em carreira e criação de currículos.

Foi interessante? Veja artigos similares

Em quem você pode confiar no trabalho? [Estudo de 2022]

Em quem você pode confiar no trabalho? [Estudo de 2022]

Em quem você confia no trabalho e quanto? Essa é uma pergunta simples, mas que cria a base da vida profissional. Confie em nós, temos as respostas que você precisa para esta pergunta e muitas outras.

Joana Silveira
Joana Silveira
Especialista em carreira
Sem crianças no escritório (Pesquisa de 2022)

Sem crianças no escritório (Pesquisa de 2022)

Funcionários sem filhos são tratados injustamente? Veja o que 900 funcionários têm a dizer sobre a diferença de tratamento entre funcionários com e sem filhos em 2022.

Joana Silveira
Joana Silveira
Especialista em carreira